Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Já começou o Lisboa Dance Festival, o festival que junta atuações ao vivo, debates e mercado de vinil

Pela LX Factory, em Lisboa, passam hoje e amanhã nomes da eletrónica como Sven Vath, Âme e DJ Ride, que estreia novo álbum com convidados especiais (como Capicua ou Valete). Workshops, conferências e mercado de vinil também previstos

Música, conversa e mercado: são estas as vertentes do Lisboa Dance Festival, evento que principia sexta-feira na LX Factory, em Lisboa (estendendo-se até amanhã) e que aborda as várias vertentes da música eletrónica - do tecno e da house ao hip-hop, passando pela "batida de Lisboa".

No que à programação musical diz respeito, a oferta inclui concertos e atuações de DJ, distribuídos por cinco espaços (quatro na LX Factory, mais o Ministerium Club, no Terreiro do Paço, para after hours).

Hoje, a sala XL (onde se apresentarão os principais chamarizes) abre as suas portas a Âme, duo alemão de DJ composto por Frank Wiedemann e Kristian Beyer (na foto), que encabeçam um cartaz do qual fazem parte o ucraniano Vakula (Sala Normajean), figura ligada à house contemporânea, e um showcase da editora Enchufada.

Amanhã, destaque-se a referência do tecno Sven Väth (Sala XL) no topo de um cartaz onde se incluem os 'internacionais' Motor City Drum Ensemble, Prosumer e Move D, e se vislumbra a presença da nova geração nacional (acomodada na Sala Zoot), de Moullinex a Xinobi (em registo live) e DJ Ride (que apresentará ao vivo um novo disco, acompanhado por Capicua, HMB, Valete e Dengaz).

No bloco de "talks", anunciam-se debates, seminários, workshops e masterclasses por onde passarão protagonistas da eletrónica nacional: nesse capítulo, entre várias outras propostas, DJ Ride dará uma lição de scratch; Fred Ferreira, dos Orelha Negra, participará num debate em torno da emergência do hip-hop enquanto força de mercado; Bruno Cardoso e Luís Clara Gomes, da Discotexas, empreenderão um seminário dedicado à edição de vinil.

Nos dois dias do festival estará aberto um mercado, na Fábrica L, com a representação de distribuidores de discos de eletrónica em vinil, da Kambas, projeto editorial de Fred Ferreira, e de lojas e marcas dirigidas ao universo giradisquista.

A programação completa pode ser vista aqui.

Originalmente publicado na revista E, do Expresso de 27 de fevereiro