Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Michael Gira, dos Swans, cancela digressão depois de ser acusado de violação

Sem efeito ficaram três datas na Austrália. O músico não justificou a decisão

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Michael Gira, líder dos Swans, cancelou a sua digressão australiana, na sequência das alegações que a cantora Larkin Grimm fez, no Facebook, de que o músico a terá violado em 2008.

Os concertos na Austrália deviam acontecer nos próximos dias, não tendo Michael Gira dado uma justificação para o seu cancelamento.

Depois do post no Facebook em que Larkin Grimm acusa Michael Gira de violação, o norte-americano lançou um comunicado, dizendo que o que aconteceu há cerca de oito anos, envolvendo a cantora e compositora que então editava pela sua editora, a Young God, foi "um momento romântico consentido não consumado" e "um erro esquisito".

"Isso é a tua verdade, conforme a recordas", respondeu Larkin Grimm. "Infelizmente, foi violação na mesma".

"De forma cavalheiresca, [Michael Gira] admite que o ato aconteceu, mas não consegue conceber que é um violador. Obrigada pela tua honestidade", completou.

No final de fevereiro, a norte-americana lançou no seu Bandcamp a canção "I Don't Believe", dedicada aos "sobreviventes de abuso sexual".

Larkin Grimm escreveu também, no Facebook, estar disposta a "discutir milhares de ideias sobre como mudar a cultura de violação. Comecemos por educar os nossos filhos sobre o consentimento. O sexo pode ser belo e divertido, mas também pode ser cruel, destruidor de vidas e arrasador. Ensinem-lhes isso aos 13 anos. Vejam o que acontece".

"Recebi tantas mensagens de homens queridos e confusos, perguntando: uma vez fiz uma coisa com a qual não me sinto confortável. Serei um violador? Essas mensagens partem-me tanto o coração como as mensagens de mulheres contando as experiências horríveis de terem sido violadas, e que mantiveram secretas".

No final de março, Michael Gira deverá retomar os concertos, tendo datas agendadas para Inglaterra, Rússia, Polónia, Alemanha, Dinamarca, Noruega, Holanda, Bélgica e França.