Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Os artistas que ainda não estão no streaming

Taylor Swift, Prince ou Tool têm rejeitado colocar a sua música em uma ou várias plataformas

Apesar de haver cada vez mais pessoas a utilizar serviços de streaming para ouvir música, ainda há artistas que se recusam a disponibilizar algumas ou todas as suas obras em uma ou mais plataformas.

De momento, serviços como o Spotify ou o Tidal oferecem um catálogo de milhões de canções à distância de um par de cliques, mas nenhuma destas plataformas oferece toda a música que existe - algo que se explica pela falta de contratos lucrativos para os artistas, por questões legais ou simplesmente pelo desinteresse destes.

O caso mais notório será talvez o de Taylor Swift, que em 2014 retirou toda a sua música do Spotify, alegando que o serviço não compensava os artistas de forma suficiente.

A cantora mantém o seu catálogo disponível através do iTunes e do Tidal, sendo que este último só não detém os direitos de streaming para 1989, o último - e aclamado - álbum de Swift.

No que a artistas que não se encontram de forma alguma nestas plataformas diz respeito, contam-se nomes como os Tool, Bob Seger ou King Crimson, cujas obras só estão disponíveis em formato físico.

A editora norte-americana Drag City, casa de artistas como Bill Callahan, Joanna Newsom ou Jim O'Rourke, também não detém qualquer presença em serviços como o Spotify ou o Tidal.

Existem ainda artistas cujas obras são exclusividade de uma só plataforma, como o é o caso de Prince, cujo catálogo completo só se encontra disponível no Tidal - sendo que o seu álbum mais recente, Hit n Run Phase Two, também pode ser acedido através do serviço da Apple.

Outros dois exemplos são os de Thom Yorke e Neil Young. O primeiro, como Swift, retirou todos os seus projectos do Spotify (à parte dos Radiohead), tendo dito do serviço que era "o último peido desperado de um moribundo". Já o canadiano justifica a sua decisão com a fraca qualidade de áudio oferecida por estas plataformas - tendo disponibilizado todo o seu catálogo através do Tidal, serviço que diz possibilitar uma qualidade superior à dos demais.