Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Tara Perdida: tudo sobre o CD grátis com a BLITZ e a digressão por clubes

Entrada para os concertos da digressão da banda, que começa hoje (29 de janeiro) em Cascais, dá direito à revista de fevereiro e ao CD exclusivo. Conheça aqui “Metamorfose” pelas palavras de Ruka, guitarrista da banda, e saiba como obtê-lo

Tem início no dia 29 de janeiro, no Stairway, em Cascais, a digressão por clubes dos Tara Perdida. Esta é uma tournée que conta com o apoio da BLITZ.

O acesso a cada um dos espectáculos custa €13,90 e, além da entrada no concerto dos Tara Perdidam, dá direito a um exemplar da revista BLITZ de fevereiro (David Bowie na capa) e a um CD dos Tara Perdida, "Acústico - Metamorfose". Para este efeito, a banda regravou todas as suas melhores canções em formato acústico, sendo o resultado disponibilizado em exclusivo pela BLITZ neste CD.

A revista deve, porém, ser adquirida à porta dos clubes por onde passa esta digressão. Atenção: uma revista que não for comprada à porta, não serve como entrada.

A partir da próxima semana, as salas irão ter vouchers de pré-venda que poderão ser comprados e trocados, no próprio dia do espectáculo, pela Revista + CD BLITZ.

Para garantir a entrada através de reserva, deve ser enviado e-mail para reservas.tour.taraperdida@gmail.com. Contudo, nestes casos, é necessário chegar 30 minutos antes de as portas abrirem.

A digressão, que conta com os Boca Doce na primeira parte, passa pelas seguintes salas:

29 e 30 janeiro Stairway Club, Cascais
5 fevereiro Praxis, Évora
6 fevereiro Bafo de Baco, Loulé
12 fevereiro Texas Bar, Leiria
13 fevereiro São Mamede, Guimarães
19 fevereiro Hard Club (sala 2), Porto
20 fevereiro Canecas, Paços de Ferreira
26 fevereiro RCA Club, Lisboa

Tara Perdida em Acústico – Metamorfose

Uma guia faixa a faixa para um álbum diferente dos Tara Perdida.

1. Jogar de Novo e Arriscar

Esta é a mensagem certa neste momento: «tempo de mudança no olhar de uma criança», como diz a letra. Qualquer músico que agarre numa guitarra transforma-se numa criança. Somos homens, mas quando tocamos temos uma fúria inocente.

2. Nasci Hoje

Esta vem do álbum É Assim, de 2002. É um tema que se tornou uma espécie de «A Casinha», dos Xutos: temos sempre que tocá-la a fechar os concertos, o público obriga-nos. Esta música fala do começo.

3. Patrícia

Depois de nascer, começa a vida e quando a vida começa uma pessoa tem que ter um nome, não é? Neste caso, «Patrícia» refere-se à filha do Ganso, mas acaba por ser um símbolo desses primeiros passos que se dão na vida.

4. O Que É Que Eu Faço Aqui

Os arranjos destas músicas não tiveram muito tempo para serem trabalhados, mas mudou-se muita coisa. A energia deste disco é a ideia de renascimento. E quando renascemos perguntamos «o que é que eu faço aqui?», certo?

5. Até ao Fim

Quando percebes o teu lugar, quem és, tomas uma decisão de não desistir, de levar as coisas até ao fim. Foi sempre essa a nossa mensagem, a mensagem do Ribas, ir até ao fim das coisas se necessário for. Ir atrás, viver. As coisas têm que acontecer por uma razão.

6. Pernas Pró Ar

Eu encontrei-me na música, não sei explicar muito bem. O Cajó, técnico dos Xutos, que já nos produziu vários discos, ensinou-me muito. Aprendi muito com ele. E hoje sei que quando se vai, vai-se até ao fim, nem que seja de «pernas pró ar».

7. Lisboa

Tenho orgulho em cantar essa música, não fazia questão nenhuma disso, porque gosto muito é de tocar guitarra e de pedrada, mas quando me sai bem gosto de cantar. Gosto de estar com a canção e vivê-la, gosto de me entregar à cidade. É o que diz esta canção.

8. Histórias de Silêncio

A seguir à cidade e à saudade, o que se segue só pode ser o silêncio, o recolhimento, aqueles momentos em que ficamos vazios de palavras e estamos só com os pensamentos.

9. Memórias

As memórias são o que o nosso pensamento guarda, o que nos agarra ao passado. Esta canção fala disso. Só nos podemos transformar numa coisa nova se nos lembramos do que éramos.

10. Desalinhado

A seguir à decisão de ir, de seguir, mas desalinhado. Sem regras, sem estar preso. Isto somos nós a dizermos que estamos prontos. Isto são os Tara Perdida: não ir desalinhado significa que já estamos a programar e isso connosco não resulta.

11. Jogo II

E para fechar, é isto: nós a dizermos que estamos prontos para o segundo round deste combate. O primeiro foi o luto, agora é a metamorfose. O coração é o mesmo, seja ele elétrico ou acústico, mas isto é tudo nosso. É apenas uma outra maneira de ver as músicas.