Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

BLITZ especial sobre David Bowie: leia aqui parte do artigo sobre os últimos tempos do músico

A BLITZ especial dedicada a David Bowie continua nas bancas. Leia aqui parte do artigo sobre os últimos anos do britânico, passados em Nova Iorque

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Resiliência, dedicação ao trabalho, paixão por aquilo que continuava a fazer. Parecem ter sido estes os pontos cardeais dos últimos meses de David Bowie, que soube sofrer de cancro ano e meio antes de morrer. No final de dezembro, antecipando a saída de Blackstar, o jornal espanhol El Mundo publicou um artigo onde se dava conta das rotinas da estrela que então não sabíamos cadente. A viver em Nova Iorque, perto de antigos marcos como o CBGB ou a Factory de Andy Warhol, levava uma vida tranquila, na companhia de Iman, sua mulher desde 1992, e da filha de ambos, Alexandria, de 15 anos. Dois anos antes, tinha Alexandria – ou Lexi, como lhe chamava – 13 anos, David Bowie levou-a e a uma amiga numa viagem de barco até à Europa. Devido à sua fobia de aviões, o artista privilegiava este meio de transporte, dizendo até que representava a oportunidade perfeita para ler livros esquecidos e ver filmes de cineastas como Sergei Eisenstein.

Desde sempre "um animal de cidade", David Bowie chegou a comprar uma mansão na ilha Mustique, nas Caraíbas, onde Mick Jagger também tem uma propriedade, mas acabou por privilegiar a selva urbana de Nova Iorque – onde vivia num apartamento estimado em 14 milhões de euros – e a paisagem bucólica das Catskill Mountains, também no estado de Nova Iorque.

De viver em Manhattan, gostava sobretudo de poder andar na rua sem ser reconhecido, de frequentar o café da esquina e a sede da sua empresa, de trabalhar no miniestúdio que ocupava dois dos oito quartos da sua casa, e – arriscamos nós – de respirar o ar dos tempos que nunca deixou de inspirar. Desde os verdes anos, em que respondia à primeira carta de uma fã norte-americana garantindo que não era "tão louro" como parecia na capa do primeiro disco (a missiva tornou-se viral no dia da sua morte), aos últimos e desconcertantes dias.

A capa da BLITZ especial dedicada a David Bowie, nas bancas (preço de capa: 2,5 euros)

A capa da BLITZ especial dedicada a David Bowie, nas bancas (preço de capa: 2,5 euros)