Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

JP Simões

Rita Carmo/Espanta Espíritos

Somos todos Bowie: "Há uma espécie de irrealidade da morte dele, que foi sempre tão galáctico", JP Simões

Passou pelos Pop dell'Arte, Belle Chase Hotel e Quinteto Tati e diz que Bowie foi um dos músicos que mais o entusiasmou na vida

JP Simões, cantor e compositor que integrou os Pop dell'Arte, Belle Chase Hotel e Quinteto Tati e cantou "A Pele Que Há em Mim (Quando o Dia Entardeceu)" em dueto com Márcia, confessou à BLITZ que David Bowie era um dos músicos que mais o entusiasmou na vida.

"Recebi uma mensagem às 10 da manhã de uma amiga minha a dizer-me que o Bowie tinha falecido", explica o músico, "virei-me para o outro lado e fiquei a matutar na coisa. Para toda a gente que gosta dele, há uma espécie de irrealidade da morte dele, que foi sempre tão galáctico. Era uma espécie de entidade, mais do que uma pessoa. É inacreditável… Bom, enfim, é uma perda terrível, mas parece que a vida é mesmo assim. Já ouvi dizer".

JP Simões continua: "o Bowie, som e imagem, é-me completamente familiar, está entranhado na história da minha vida e é com certeza dos músicos que mais me entusiasmou na minha vida inteira… E vai continuar a entusiasmar, sem dúvida. Em relação ao Bowie o que posso dizer é: ainda bem que ele existiu".