Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Os Motörhead estiveram em Portugal por seis vezes. Ainda se lembra da primeira?

Em abril de 1988, a banda britânica estreou-se em Portugal com dois concertos, em Cascais e Porto. Recorde aqui a reportagem do jornal BLITZ ao primeiro.

Foi a 3 de abril de 1988 que os Motörhead pisaram pela primeira vez solo nacional, com um concerto no "velhinho" Dramático de Cascais, sendo que no dia seguinte atuaram no Porto, no Pavilhão Infante de Sagres.

O então jornal BLITZ esteve presente nesse primeiro concerto, numa reportagem assinada por Pedro Cardoso, que recordamos na mesma semana em que faleceu Lemmy Kilmister, o eterno baixista e vocalista do grupo.

À altura, os Motörhead vieram apresentar o seu oitavo álbum de originais, Rock 'n' Roll, que havia sido editado no ano anterior. As primeiras partes estiveram a cargo dos alemães Destruction e das Girlschool, banda de heavy metal no feminino que editou um EP com os Motörhead em 1981.

O concerto no Dramático não terá assistido, contudo, a uma enchente: «Antes de começarmos a falar do concerto em si, queremos aqui lamentar publicamente a não adesão dos "headbangers" portugueses a esta prestação metálica. Bolas, o que é que pretendem? Se não há concertos, refilam porque não há! Quando têm oportunidade de assistir a grupos (e excelentes) ao vivo, não vão. É triste o vosso comportamento», escreveu então Pedro Cardoso.

Do concerto dos Motörhead, o jornalista ressalvou o «delírio geral» com a entrada de Lemmy em palco, descrevendo o grupo como «um dos melhores grupos do som metálico e autêntica Bíblia para todos os grupos novos», descrevendo a prestação do grupo como um «meio caminho entre uma corrida de carros americanos e um bombardeamento de napalm».

No concerto, que durou cerca de oitenta minutos, foram interpretados temas como "Orgasmatron", "No Class", "Ace of Spades" e "Overkill", tendo ficado fora do alinhamento clássicos como "Motörhead" e "Bomber", e rematando Pedro Cardoso a reportagem com «aquele concerto foi um permanente apocalipse, a energia pura e simples».