Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Playlists

É dia de jogo! 15 canções para ir ao futebol

Em dia de Portugal x Áustria, a contar para o Campeonato Europeu de Futebol, a BLITZ deixa-lhe uma seleção musical para ir aquecendo até à hora do jogo (20h)

GERRY AND THE PACEMAKERS
"You'll Never Walk Alone" (1963)

A mais conhecida banda de Liverpool da época, que não se chamava The Beatles, juntou-se a George Martin (produtor dos... Beatles) para gravar uma adaptação de um tema escrito para o musical de 1945, Carousel, pelos ilustríssimos Oscar Hammerstein II, Jerome Kern e Richard Rodgers. Ou seja: um dos temas mais ligados ao DNA do futebol foi escrito nos... Estados Unidos. É o hino do Liverpool FC, é um hino do futebol.

ELTON JOHN
"Saturday Night's Alright For Fighting" (1973)

O cenário que se pinta nesta canção invulgarmente agitada de Elton John pode perfeitamente aplicar-se a uma noite pós-futebolística. Tão heterossexual quanto violento ("I'm looking for a dolly who'll see me right / I may use a little muscle to get what I need") e desesperado ("I'm a juvenile product of the working class / Whose best friend floats in the bottom of a glass"). Pertence ao seu álbum mais cotado, Goodbye Yellow Brick Road.

SÉRGIO GODINHO
"Espectáculo" (1979)

Para uma nação tão obcecada com a bola, Portugal tem um baixíssimo espólio de canções populares que lidem com o imaginário do futebol - hinos e canções "encomendadas" pelos clubes à parte, claro. "Espectáculo" é uma pacífica e muito suave excepção. Escrita e interpretada por um sportinguista, vem no álbum Campolide e foi há poucos anos partilhada em palco e em CD com os Clã.

KOOL AND THE GANG
"Celebration" (1980)

Talvez a mais familiar entre muitas canções famosas deste combo de disco-funk. A boa disposição festiva e universal das palavras e da música faz dela um must em todo o tipo de festança e acontecimento desportivo para audiências avantajadas. Os metais e o hedonismo sem subterfúgios contrabalançam o excesso de familiaridade.

SIMPLE MINDS
"Alive And Kicking" (1985)

Aqui começa um novo ciclo na carreira dos Simple Minds: desaparece a elegância modernista e europeia, entra em cena uma pompa comandada pelo som de uma bateria faraónica, mais vozes que sobem aos ombros da sua auto-importância e longos casacos de padrões criminosos. Uma mudança que os precipita para os estádios. Em "Alive and Kicking" a música ainda é exultante. Depois é que piora.

PUBLIC ENEMY & ANTHRAX
"Bring The Noise" (1987)

Depois da aliança dos Run D.M.C. com os Aerosmith para a actualização de "Walk This Way", os Public Enemy elevam a parada na colisão frontal entre hip-hop e rock mais pesado. Desta vez, a matéria-prima vem do hip-hop ("Bring the Noise" faz parte do aclamadíssimo It Takes A Nation of Millions To Hold Us Back) e a resposta está a cargo de uns dos pontas-de-lança do thrash-metal mais inventivo da década de 1980.

TINA TURNER
"The Best" (1989)

Nesta altura, Turner estava comercialmente no ponto mais alto do seu segundo fôlego. O efeito do épico "The Best" e do respectivo álbum Foreign Affair nesse contexto foi o equivalente a despejar gasolina sobre fogo. "The Best" tornou-se um standard de estádios e pavilhões, mas a sua pieguice musculada é hoje em dia mais bem lembrada graças ao embaraçoso sketch de David Brent / Ricky Gervais na série The Office. Antes assim.

C+C MUSIC FACTORY
"Gonna Make You Sweat (Everybody Dance Now)" (1990)

Entre os Technotronic e os Soul II Soul. Mais um exemplo da invasão do espaço pop, frequente naquela época, perpetrado por uma confluência de house, soul, funk e hip-hop. A diva que entoa o "everybody dance now" e o simulacro de ritmo mecânico aos solavancos que a acompanha conquistaram os favores de muitos amantes do desporto-como-espectáculo.

THE FARM
"All Together Now" (1991)

Duas bandas de Liverpool numa playlist com forte queda para o futebol não é coincidência. "All Together Now" tem o tom certo de congregação-das-massas para funcionar como o equivalente sonoro de dissolver discretamente uma pastilha de ecstasy no copo de cerveja de um hooligan troglodita (passe a redundância). Um exemplo do som de 1991 que resiste até hoje, da autoria de uma banda de que quase ninguém se lembra.

GNR
"Pronúncia do Norte" (1992)

Hino que já era antes de o ser, especialmente bem aceite pelos portistas. Contém uma incursão até agora única de Isabel Silvestre em águas pop-rock - e logo num tema que figura num álbum, Rock in Rio Douro, que vendeu desmesuradamente, assinalando o apogeu comercial da carreira dos GNR.

BEASTIE BOYS
"Sure Shot" (1994)

Não é canção que passe sequer nas imediações de qualquer estádio de futebol português, mas recolhe generosos apoios entre os que gostam de colar os olhos à televisão durante os jogos da NBA. Um dos temas mais conhecidos do bem sucedido Ill Communication.

BECK
"Loser" (1994)

Tinha que estar nesta lista, nem que fosse pelas razões menos simpáticas. Porque nestas coisas das competições desportivas deve-se saber humilhar os adversários derrotados com estilo, humor e sem sombra de violência. "Loser", famoso pastelão pós-moderno de ingredientes meio aleatórios que são atirados para o centro do palco e do qual resulta música preguiçosa sem sabor a nada em particular, cumpre bem esta função social.

REPUBLICA
"Ready To Go" (1996)

Passaram como um asteróide pelo planeta pop na época em que as bandas pop-rock gostavam de mostrar apetência pela electrónica para dançar. "Ready To Go", que foi o seu único sucesso, tem o nome certo, a atitude insinuante ideal e o ritmo assertivo que lhe garante um lugar especial entre os fãs de desportos velozes, de preferência motorizados.

CHUMBAWAMBA
"Tubthumping" (1997)

Este colectivo britânico funciona como uma espécie de comunidade politicamente empenhada desde 1982. Na segunda metade dos anos 1990, cruzaram-se por instantes com o mainstream graças a esta canção. Dos estádios aos pubs, a mesma "lad culture" que celebrava os Oasis adoptou os Chumbawamba. O mundo é um sítio peculiar.

FATBOY SLIM
"Right Here, Right Now" (1998)

Uma maravilha extraída da mesma cepa que forneceu bandas como os Chemical Brothers e os Underworld. Está no indispensável You've Come A Long Way, Baby, e vai bem enquanto se vêem sequências alucinantes de golos do Chelsea ou Manchester United.