Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Opinião

Oh Beck, o que foste tu fazer

“Colors” é o primeiro disco falhado de um artista habitualmente de confiança. Acontece

Quem anda entre os 30 e os 40 já terá sentido, nos idos da adolescência, um certo embaraço quando um tio ou um amigo dos pais, julgando-se moderno a valer e convicto de que partilha os códigos da ‘malta jovem’, pergunta se está tudo ‘numa nice’ com o ‘pessoal da pesada’ e nos trata como ‘ó tu que fumas’. Há um sorriso amarelo cristalizado para estas ocasiões, aquele a que estamos contratualmente obrigados a recorrer quando uma prima divorciada nos diz que foi ver este verão como é o Festival Sudoeste e achou o DJ Martin Garrix ‘o máximo’.

Se há coisa em que a música pop se aproxima da irredutibilidade da vida real é nisto: é impossível a um velho parecer novo. Há na tentativa de rejuvenescer algo de desajustado (desesperado?), e o esforço por parecer jovem será invariavelmente denunciado.

Talvez este seja um preâmbulo injusto para Beck Hansen, que tão cedo começou, mas “Colors” é, com fortes possibilidades de verificação, o primeiro álbum em que o multifacetado norte-americano mostra a idade que tem. Chega a ser constrangedor quando se aproxima da conservadora fórmula pop de Taylor Swift em ‘Seventh Heaven’, com tanto de detritos dos anos 80 como de piloto automático à século XXI, ou quando se entrega a um power pop anónimo que podia musicar mais um videoclip engenhoso dos OK Go.

Tão ou mais desastrosa resulta-lhe a tentativa de invocar o reggae branco dos Police (como já antes fez Bruno Mars) em ‘No Distraction’, e - já perto do fim - a fatiota de baladeiro da soul de olho azul numa ‘Fix Me’ xaroposa que até dói.

Salvam-se da hecatombe uma ginasticada ‘Colors’ (mesmo com as flautas tropicais) e o funk pop de ‘Dreams’ (brinquedos eletrónicos na mesma loja que uma guitarra de Nile Rodgers) num disco falhado em que até um tema à Beck ‘acústico’, ‘Dear Life’ (a lembrar Elliott Smith num momento luminoso), soa a despropósito.

Publicado originalmente na revista E, do Expresso, a 21 de outubro de 2017

  • Para ouvir de olhos bem fechados

    Opinião

    Nos últimos anos, ninguém soube desempenhar tão bem como os Grizzly Bear a tarefa de fazer encontrar um sítio íntimo onde as harmonias vocais não comunicam através dos ecrãs de telefones móveis, onde o sentido comunal não se propaga com braços erguidos, onde a fruição de olhos cerrados não precisa de ser eternizada numa publicidade de “bons momentos”

  • Menino não entra

    Opinião

    2017 tem sido das mulheres. E no que ao rock (e arredores) diz respeito, é goleada garantida. Inclui playlist demonstrativa

  • Arcade Fire, precisamos de falar

    Opinião

    Ao longo dos últimos dias dei toda a minha atenção ao novo álbum dos Arcade Fire, “Everything Now”, procurando prolongar um namoro antigo. Talvez o problema seja meu, e não deles, mas a relação esfriou