Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Opinião

Beatles, Rolling Stones e Iggy Pop em luta por um Óscar em 2017?

Entre a lista dos filmes que competem pelas cinco nomeações para Melhor Documentário nos Oscares de 2017 há um volume expressivo de títulos sobre música. O filão continua a chamar atenções... E pode disputar uma quarta vitória para os filmes sobre música em cinco anos de documentários

Nuno Galopim

Nuno Galopim

Jornalista

Se no cinema documental o circuito de distribuição encontrou um público com vontade de ver histórias que vão para lá do espaço das breaking news que fazem o quotidiano informativo, na música esse terreno tem descoberto matéria prima para algumas das propostas mais férteis em boas ideias (e episódios de sucesso). Nos últimos tempos, do filme com imagens e gravações inéditas de Kurt Cobain que chegou a fazer carreira em sala, aos documentários sobre Nick Cave que cimentaram mais ainda o estatuto de rara transversalidade em que a sua música hoje corre, passando pelo magnífico olhar musical e político sobre Nina Simone (que apesar da estreia em festivais não teve depois senão distribuição televisiva), a oferta tem sido vasta e marcado a agenda das atenções tanto de quem gosta de cinema como de quem gosta de ouvir música.

E se aqui há um mercado popular em crescimento, logo a constatação dessa visibilidade através das premiações nos Oscares se fez sentir. E não é por acaso que, entre os últimos quatro anos, houve três filmes sobre música a vencer a categoria de Melhor Documentário. Foram eles À Procura de Sugarman (filme estreado em 2012), de Malik Bendjelloul e Simon Chinn, que nos revelava a história praticamente esquecida de Sixto Rodriguez (e pela qual passava, nas entrelinhas, uma expressão do isolamento cultural sul-africano nos tempos do apartheid), A Dois Passos do Estrelato (2013), de Morgan Neville, sobre os quase anónimos coristas contratados por tantos artistas de primeiro plano e Amy (2015), poderoso retrato biográfico de Amy Winehouse assinado por Asif Kapadia e James Gay-Rees. Neste mesmo período, só venceu a música o documentário Citizenfour (2014), de Laura Poitras, sobre as revelações de Edward Snowden acerca dos programas de vigilância da NSA.

Para 2017 a categoria de Melhor Documentário (de longa metragem) já deu a saber a lista dos filmes de 2016 que foram aprovados para a primeira votação da qual nascerão os cinco nomeados. São ao todo 145 filmes, mais do que os 123 do ano passado, mas um nada aquém do recorde de 151 selecionados em 2013. E entre eles há um lote significativo de filmes sobre música, dos quais certamente surgirão candidaturas nomeáveis e, quem sabe, o Óscar, apesar de filmes como Life Animated, de Roger Ross Williams (sobre uma criança que nasceu muda e o modo como a família encontrou formas de comunicar através dos filmes clássicos de animação) ou Fogo no Mar, de Gianfranco Rossi (sobre a crise dos migrantes vista a partir de Lampedusa), parecerem, à partida, mais evidentes favoritos.

Entre os filmes que vão a votos está o muito mediatizado The Beatles: Eight Days a Week – The Touring Years, de Ron Howard, já exibido entre nós e no qual se recorda a etapa inicial da carreira dos Beatles, quando o palco era destino prioritário na sua agenda. Outro dos títulos em destaque é Gimme Danger, de Jim Jarmusch, filme que terá em breve antestreia entre nós no Lisbon & Estoril Film Festival e no qual nos é apresentada a história dos Stooges através de imagens de arquivo e de novas entrevistas, entre as quais uma que revela um Iggy Pop surpreendentemente cândido e informal.

Outro dos filmes desta lista é The Rolling Stones — Olé Olé Olé! : A Trip Across Latin America, documentário de Paul Dugdale que nos transporta para a mais recente digressão latino-americana dos Rolling Stones, que terminou com o seu histórico concerto em Havana, em Cuba.

A lista inclui ainda Danny Says, de Brendan Toller, sobre Danny Fields, jornalista editor e manager que trabalhou com nomes como Iggy Pop e os Stooges, os MC5 e os Ramones. O nome do filme, de resto, cita o título de uma canção do álbum End of the Century dos Ramones. Eat That Question: Frank Zappa in His Own Words, de Thorsten Shütte, chega num momento em que a obra de Zappa está a ser alvo de importantes campanhas de reedição. Mavis!, de Jessica Edwards, é um retrato da cantora a quem Prince quis dar segunda vida por alturas de Graffiti Bridge (1990) que recua aos tempos dos Staples Singers e das lutas pelos direitos civis a que estiveram ligados. Miss Sharon Jones,de Barbara Kopple, traça o retrato de outra grande veterana americana. A estes títulos junta-se ainda Presenting Princess Shaw, de Ido Haar, que explora as ligações entre uma cantora revelada no YouTube e um video artist.

De uma outra geografia chega-nos We Are X, filme de Stephen KIjak sobre a banda rock japonesa X. Num campo musical completamente diferente, The Music of Strangers, de Morgan Neville, apresenta o violoncelista Yo Yo Ma e outros nomes ligados ao Silk Road Project, observando a sua relação com a música, a filosofia e a cultura em geral.

E os nomeados vão ser...

  • Balada para um Nobel

    Opinião

    A atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan gerou um debate saudável e vivo. Abriu um precedente ousado (e oportuno) e pôs meio mundo a falar sobre música e literatura... Agora nada como regressar a Dylan. E tentar compreender a escolha. E a resposta está a soprar no vento, há já muitos anos...