Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Opinião

O CD tenta sobreviver com propostas gourmet (e caras)

Caixas antológicas cheias de discos, livros e outros extras mostram como a rentrée de 2016 tenta evitar uma morte rápida do CD através de sugestões ‘gourmet’ para carteiras mais folgadas. Lou Reed, David Bowie e Rolling Stones estão entre os nomes com novos lançamentos já em agenda para as próximas semanas

Nuno Galopim

Nuno Galopim

Jornalista

Com a pirataria cada vez mais afastada do discurso de quem trabalha na música e a caminho de ser memória arrumada entre os factos (com consequências visíveis) da alvorada do século, o disco entra agora numa idade diferente. Os novos paradigmas de consumo fazem-se online, por streaming, em diversas plataformas, cada qual a ensaiar constantes jogos de ginástica e de estratégia para gerar exclusivos e cativar atenções. O produto físico tende a caminhar para um destino residual. E se o vinil encontrou já um novo rumo, como peça de consumo de nicho que cruza gerações (não se esgotando portanto nos antigos consumidores dos tempos do pré-digital), o CD tenta encontrar forma de não se tornar obsoleto. E como? Através de edições especiais, em caixas antológicas, ora exaustivas, ora repletas de conteúdos... Para vender o mais do mesmo e inéditos de arquivo, mas a preço de coisa gourmet.

O mapa de lançamentos dos próximos meses está por isso cheio de grandes acontecimentos na forma de caixas com CD, com livros lá dentro e o que mais a imaginação (e o marketing) lá conseguir meter dentro.

David Bowie é um dos nomes em evidência. Depois de uma primeira caixa antológica que revisitou o corpo de gravações registadas entre 1969 e 1973, segue-se, no fim de setembro, Who Can I Be Now, uma segunda caixa, com 12 discos pelos quais se recorda o período entre 1974 e 76, ou seja, aquele que corresponde a uma etapa em que os EUA estiveram no centro das suas atenções como residência e fonte de inspiração. E como tudo indica que o modelo antológico é para continuar a ser posto em prático, espera-se terceira caixa dentro de meses, devendo essa ser centrada na etapa berlinense, que corresponde ao intervalo entre 1977 e 1979. O preço deverá rondar os 120 euros.

Mais espetacular ainda é a edição que inicia uma sistematização exaustiva da revisão da obra dos Pink Floyd. Se em vinil está já em curso uma reedição de todos os álbuns, agora é o CD quem entra em cena. A editar a 11 de novembro, a caixa Early Years – 1965-72 que junta 27 discos, entre CD, DVD e Blu-ray, acrescentando entre os extras a reprodução (em vinil) dos cinco primeiros singles do grupo. Este primeiro conjunto de memórias recorda os discos editados e os filmes então estreados (com música dos Pink Floyd), mas junta também gravações de arquivo ainda inéditas, criando um conjunto de peças que não deverá escapar aos apetites dos admiradores da banda que possam pagar os quase 450 euros pelos quais estão a ser feitas as suas pré-vendas.

Na linha do que sucedeu já com os Beatles, cabe agora aos Rolling Stones editar em CD as versões em mono dos seus álbuns. A caixa de 15 CD Rolling Stones in Mono deverá chegar a 30 de setembro a um preço não muito longe dos 150 euros.

Também a obra em álbum de Lou Reed vai ser agora reunida numa caixa. São 17 CD, sob o título conjunto The RCA & Artista Albums Collection, e tem lançamento agendado para 7 de outubro com um preço previsto de pouco mais de 110 euros.

Marc Almond, antiga voz dos Soft Cell, tem também uma edição em caixa a caminho. São 10 CD que, com o título Trials of Eyeliner: Anthology 1979-2016, recordam todos os seus singles (em todos os seus projetos), raridades, colaborações temas de álbuns e algumas preciosidades inéditas. Com um preço na casa dos 90 euros, a caixa deverá ser editada a 28 de outubro.

Até na música clássica a “febre das caixas” terá frutos nesta rentrée. De resto, é nesse terreno que surge a mais ambiciosa das edições. Mozart 225 é uma caixa de 200 CD, dois livros e mais material extra na qual a Deutsche Grammophon e a Decca vão juntar gravações de referencia de todas as obras de Mozart. A data de lançamento está prevista para finais de outubro. E o preço deverá ultrapassar os 350 euros.

  • Prince: caos e desordem (quatro meses depois)

    Opinião

    O título de um disco editado há 20 anos parece ser uma descrição possível para a falta de arrumação para os destinos que a obra de Prince continua a conhecer quatro meses após a sua morte. E entretanto alguns discos descatalogados começam a surgir a preços astronómicos

  • Querido mês de agosto

    Opinião

    Nem só de propostas light para ouvir e esquecer pouco depois vive a história dos fenómenos da música pop nascidos no mês de agosto. Aqui ficam cinco exemplos de clássicos que nasceram quando o calor apertou