Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Opinião

E se David Bowie não tivesse morrido?

Sim, deixem-me continuar a acreditar

Ou por outra, e se ele, tal como Lázaro, a personagem que encarnou nesta última etapa, realmente ressuscitasse ao quarto dia. Não sou eu que digo: está nas Escrituras. No Evangelho de São João, no capítulo da Ressurreição de Lázaro pode ler-se “e, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora. E o defunto saiu; tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o, e deixai-o ir”. E assim foi. Bate certo com o facto de David Bowie ter seguido Deus no último contacto que até hoje manteve na sua conta de Twitter.

E se assim for, preparem as manchetes: David Bowie ressuscita amanhã.

Mas ainda há outras razões para que seja assaltado pela dúvida. E se estas petições que circulam pelas redes sociais funcionam mesmo? Até hoje não me lembro de nenhuma. Mas o certo é que – e isto também joga certo com o segundo parágrafo – a petição criada em Itália no change.org, por Andrea Natella for capaz de levar a carta a Garcia? O “pedido” não deixa espaço para incertezas. É dirigido a Deus e intitula-se “Say No to David Bowie Dead”. Um dos proponentes descaiu para a blasfémia: “Deus, já tens o Lemmy, Lou, Freddie, John Jimi… Dá-nos o David de volta!”, mas esse não creio que esse possa ser motivo para justo esquecimento.

E se nada disto realmente aconteceu? Não quero ser como São Tomé mas ainda não vi publicado o anúncio de qualquer serviço fúnebre, homenagem, uma missa sequer! Mesmo essas notícias que anunciam que terá morrido de cancro… Vocês acreditam em tudo o que lêem? Viram alguma certidão de óbito, um eletrocardiograma, umas análises ao sangue que sejam capazes de comprovar tudo isto?

É certo que esta questões colocam em causa a dualidade que foi marca de água de David Bowie. Por uma vez na vida, ele seria mesmo ele. Mas, ao fim de 50 anos, não seria justo pensar que isso iria acontecer uma primeira vez?

Não, eu não acredito. E comigo estão os milhares que se juntaram segunda-feira às portas de uma sala de cinema em Brixton para o celebrar, a maior vaga de homenagens que alguma vez já se viu na internet, os canais de televisão apressados a programar programas com David Bowie, o mundo virado do avesso porque uma estrela disse que ia partir.

Não, isto vai continuar.

Obrigado, Senhor.