Blitz Records

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Blitz Records

Galo Cant'às Duas

Galo Cant'às Duas editam primeiro álbum pela BLITZ Records. Ouça-o e leia a entrevista

São dois, vêm de Viseu e fazem música exótica e psicadélica – alguém falou em pós-rock? Se o galo canta, eles quase não. Mas deixam os instrumentos sonhar. Serão anjos? Ouça aqui “Os Anjos Também Cantam” nas principais plataformas de streaming. Leia também a entrevista

Duo de Viseu lançou álbum de estreia, Os Anjos Também Cantam, pela BLITZ Records/Sony.

"Os Anjos Também Cantam", dos Galo Cant'às Duas

"Os Anjos Também Cantam", dos Galo Cant'às Duas

Ouça-o aqui nas principais plataformas de streaming:

Tidal

iTunes

Google Play

«Galo Cant’às Duas surge no verão de 2015 num encontro de artes em meio rural da aldeia da Moita, do distrito de Viseu, num contexto de experimentação e comunhão entre todas as expressões artísticas», começa por dizer o multi-instrumentista Gonçalo Alegre. «Eu e o Hugo [Cardoso, baterista] já nos conhecíamos de outras circunstâncias e partilhávamos uma predisposição enorme em fazer música livre de rótulos e estéticas musicais». O duo começou a dar concertos «com a viagem que já tínhamos estruturado até então, a que chamámos Os Anjos Também Cantam, que é também o nome do disco. A evolução dessa viagem», explica, «acontece de forma livre e sempre num contexto de procura pelos belos palcos por onde passámos até à gravação do disco em agosto de 2016».

Música paisagística, com diferentes matizes mas «dirigida» pela instrumentação canónica do rock (guitarra, baixo, bateria…), responde a uma demanda considerável de improvisação. «Por isso mesmo, a nossa música é também aquilo em que insistimos que seja, uma viagem, viagem esta que se transforma a cada concerto». Sem preconceitos «com estilos, géneros e formas, seguimos o nosso coração». Space rock e pós-rock serão, porventura, alguns dos carimbos prováveis de uma música aventureira (vejam-se as cambiantes de uma canção como «Respira», com 11 minutos), que evolui para lugares pouco previsíveis e surpreendentes. No Galo Cant’às Duas, as camadas de som são adicionadas como que prontas para um duelo. E os instrumentos falam mais alto (cantam mais alto?) do que a voz, que só se ouve à canção derradeira, «Partícula».

Gravado durante uma semana no estúdio HAUS, com Makoto Yagyu e Fábio Jevelim (dos PAUS) na gravação, produção, mistura e masterização, Os Anjos Também Cantam «deu-nos bastante gozo a compor», avança o percussionista Hugo Cardoso. «A ideia sempre foi chegar a um equilíbrio entre a improvisação e uma estrutura. Tudo aconteceu naturalmente na nossa sala de ensaio. O objetivo era também oferecer variadas texturas, desde andamentos mais lentos a formas mais intensas, mais densas. Um disco com bastantes dinâmicas», elucida.

«Começámos com o tema “Marcha dos que Voam”, aquele que assumimos como single, visto ser o tema que mais nos define. Tem uma boa percentagem de improvisação que em concerto resulta sempre em micro-viagens, dando dinâmicas bem intensas. Com isto seguimos com o “Respira”, um tema lento em que a linha de baixo está sempre a dar ideia de uma espécie de metamorfose», explica Hugo, ao percorrer o alinhamento do álbum de estreia da dupla. «Conforme fomos compondo, os temas foram ficando com uma estrutura mais definida, com menos improvisação. É o caso dos últimos temas, o “Processo Entre Viagens”, com um groove perto do drum’n’bass, e o “Partícula”, onde decidimos explorar vozes», remata. «É uma obra completa, uma viagem com altos e baixos, como a vida».